Buscar

Tem Um Impostor Entre Nós

Um amador jogando na liga mais disputada do planeta.

Atacante vestindo as cores do tradicional Southampton


Em 1965 nasceu Ali Dia, um jovem senegalês que sonhava em jogar futebol e se tornar profissional. Até esse ponto, nada “fora da curva”. Atuando em seu país natal, o jovem chamava atenção e era bem comentado por pessoas próximas a ele. Se destacando nos jogos amadores, Dia pensou alto e alimentou seu sonho cada dia mais; com isso, passou a disputar partidas por times da Alemanha, França e Finlândia, porém eram clubes amadores e de menor expressão.


Ao longo dos anos, o senegalês via o seu futuro no futebol cada vez mais incerto, por isso, enquanto atuava por um time amador da Inglaterra, estava matriculado em uma universidade na qual estudava economia. Em Londres, e já com 31 anos, Ali Dia teve uma ideia que se baseava em seu amigo ligar para clubes profissionais se passando por George Weah, astro africano, e que naquele ano havia sido premiado como o melhor jogador do mundo, ou seja, passava muita credibilidade.


A intenção de Dia e de seu colega era indicar, como Weah, um “primo”, que seria o próprio senegalês, com futuro promissor, jogador da seleção de Senegal e disputado por clubes chineses, que ofereciam um bom dinheiro para levá-lo para o país asiático, sendo uma boa oportunidade para um time entrar no negócio e numa futura venda lucrar muito.


Em meio a diversas ligações frustradas, o então técnico do Southampton, Graeme Souness, ídolo do Liverpool, atendeu o amigo do jogador e ficou surpreso ao saber que era George Weah que o ligava, ou ao menos alguém que se passava pelo craque liberiano. Interessado pela lábia e por necessitar de um atacante para o time, o treinador escocês per