Buscar

Quem paga pelo que é gratuito?


Ana e João decidiram tomar um café na cafeteria que foi inaugurada na cidade. O novo empreendimento lançou uma super promoção para a festa de inauguração, café de graça! Isso mesmo, o gerente ficou maluco, a cafeteria está promovendo café de graça para todos que entrarem no estabelecimento, porém, com uma condição: é necessário pagar cinco reais para entrar.

É nítido que o café oferecido não é gratuito, para pagá-lo o proprietário da cafeteria teve de tirar o dinheiro de algum lugar, da onde? Dos cinco reais pagos pelos clientes na entrada.


Quase todos conhecem aquela famosa frase: “Não existe almoço grátis”, e é disso que se trata a história de Ana e João, inclusive a origem da frase traz consigo uma história parecida, quando na época de 1920, restaurantes ofertavam almoço “gratuito” para os clientes, caso comprassem bebidas — bebidas estas, que eram vendidas muito acima do preço comum, pois o preço pela comida estava incluso nelas.


É possível usar a analogia em muitas situações do cotidiano, principalmente em questões onde o governo fornece um serviço, com a intenção de beneficiar algo ou alguém, e acaba tirando de outros indivíduos através do monopólio da força e da espoliação legalizada.


Retomando, não é possível que exista algo 100% gratuito, é necessário alguém pagar por aquilo, se não é Ana ou João, é você ou quem escreve este artigo. Muitas vezes é difícil ver da onde vem esse dinheiro e como o governo faz com que serviços aparentem ser gratuitos, mas lembre-se: se você não está pagando, alguém está.