Buscar

Precisamos falar sobre o câncer!

Em algum momento da vida, você provavelmente já ouviu falar do câncer. Não é surpresa, considerando as várias possibilidades de causas e manifestações que essa doença pode apresentar e que chegou a ser ranqueada entre as 10 doenças que mais matam no mundo de acordo com a OMS, em 2020. Apesar disso, em pleno século XXI, a complexidade e a tensão gerada em torno do câncer criam uma atitude de aversão das pessoas na busca de informação sobre esse tema.


O câncer faz referência a mais de 100 tipos de diferentes doenças malignas (graves ou de piora gradativa), resultante da formação desordenada de células que pode ocorrer em qualquer parte do corpo. Essas células irregularmente desenvolvidas podem invadir tecidos e órgãos próximos, também possuem ação agressiva e reprodução incontrolável, assim formando os tumores, que podem se espalhar por todo o corpo. E os principais fatores que definem um tipo de câncer são: o local em que se manifesta, a velocidade de multiplicação das células cancerígenas e a capacidade de invadir órgãos e tecidos.


Em geral, a manifestação de um câncer pode ser classificada em três estágios: iniciação, promoção e progressão. No estágio de iniciação, os genes (parte do DNA) de determinadas células do corpo humano, sofrem ação dos agentes cancerígenos, como partículas de poluição no ar e certos corantes, modificando sua composição, porém, ainda não é possível identificá-lo clinicamente. Caso o conteúdo genético das células seja constantemente exposto, a situação evolui para a promoção, quando essas células passam a se multiplicar irregularmente, no entanto, o quadro ainda pode ser revertido. No estágio da progressão, o desenvolvimento das células modificadas é desordenado e incontrolável, e se desenvolve até as primeiras manifestações clínicas.


A variedade de situações em que o câncer é presente torna difícil delimitar as suas causas. O INCA - Instituto Nacional de Câncer - estima que 80% a 90% sejam de fatores externos, ou seja, a influência de hábitos e o estilo de vida das pessoas, enquanto apenas 10% a 20% dos pacientes da doença, já possuem uma predisposição genética. Além disso, o envelhecimento humano pode facilitar a sua manifestação, pois as células tornam-se mais vulneráveis a mudanças genéticas e, inevitavelmente, são expostas a agentes cancerígenos com o tempo.


Contudo, algumas práticas podem ser fundamentais para se prevenir do Câncer:

  • Não fumar

  • Evitar alimentos processados (salsicha, linguiça, salame, mortadela, peito de peru)

  • Praticar atividades físicas e manter massa corporal adequada