Buscar

O que existe por trás de uma propaganda

A divulgação é o preceito básico de qualquer propaganda, visando influenciar e persuadir determinado grupo. Todavia, o ponto determinante se encontra em dois quesitos fundamentais: Como ela atua sobre nós e o que se encontra por trás das “simples” divulgações.


As propagandas atuam sobre as emoções dos indivíduos, por exemplo, se pretendo vender determinado produto ao consumidor X, necessito encontrar tudo o que posso para persuadi-lo, fazendo o mesmo, se interessar por meu produto. Mas como faço isso? Simples, procurando fatores entre meu produto que se assemelhem ao consumidor X.


Exemplificando e deixando mais claro: Determinada empresa pretende vender um carro popular. Para que o mesmo seja vendido e a empresa obtenha lucros, o marketing atrás da propaganda há de ser certeiro. A necessidade de pesquisas como: Quem é meu consumidor alvo? Qual a cor de carro que mais lhe agrada? Quanto ele pode dispor na compra? Como posso fazer o carro mais atrativo para seu gosto pessoal? São todas perguntas com bases, na maior parte das vezes, matemáticas e puramente científicas.


Ademais, a neurociência é outro método muito utilizado atualmente. São feitos estudos de como seu cérebro reage a determinado tipo de propaganda, ou melhor, a determinado tipo de estímulo, podendo assim, definir qual a melhor maneira de atingir seu objetivo de divulgação.


Tudo se encontra rodeado na emoção do indivíduo, se um anúncio atende suas necessidades, problemas e anseios, a venda é garantida e uma crença de que existe a necessidade de compra é criada.


Entretanto, nem sempre a propaganda é usada com um bom propósito. Muitas vezes, o intuito não é mais voltado ao desejo do consumidor alvo, e sim, ao desejo da empresa ou sistema. Neste processo, tudo se baseia na persuasão, convencimento e manipulação da “imagem” do produto ao consumidor, ou seja, a venda é baseada no anseio pessoal e não populacional. Sendo aplicada a dominação, frequentemente usada em meios políticos, mesmo que indireta.


Destacando o último exemplo, temos essa visão clara em tempos de guerra, onde sempre é mostrada uma propaganda intuitiva de bem X mal. Determinado grupo representando o lugar correto, exaltando suas qualidades em relação ao outro e fixando a ideia de superioridade em comparação aos demais.


A guerra fria retratou muito este fenômeno, por um lado os EUA exibindo sua bandeira capitalista e a URSS, em contrapartida, com sua ideologia socialista. Ambas utilizavam de diversos meios para influenciar a sua população, sendo estes, via rádio, jornais, filmes, apresentações, livros e até mesmo, na educação nos colégios.