Buscar

O Feminismo Negro



Desde sempre, tanto na sociedade brasileira quanto em um âmbito global, a situação da mulher e do negro possui um legado dotado de traumas, exclusão, inferiorização, desrespeito. Ao darmos foco para a situação brasileira diante desses males, devemos saber que o patriarcado e o racismo estão enraizados na nossa sociedade, logo faz com que a mulher fique à mercê da dominação dos homens e desprivilegiadas nas relações sociais; outra das consequências seria a desvalidação humana por conta da cor de pele do indivíduo. O que as mulheres e pessoas negras vem tentando combater há séculos, finalmente, hodiernamente pode-se notar um pequeno progresso, todavia, essa luta ainda não se deu por vencida. Para termos uma noção das prioridades e vertentes que o feminismo negro veio a adotar, faz-se necessário entendermos suas origens, como o racismo no Brasil é estrutural e como o movimento feminista é importante.


Quando falamos de racismo estrutural estamos falando da estrutura da nossa sociedade que permitiu e possibilitou que o racismo predominasse ao decorrer da história e ao longo do desenvolvimento do corpo social durante as práticas culturais e institucionais que inferiorizam um grupo étnico-cultural, ou seja, eles determinaram uma raça superior, a raça ariana. Tendo em vista que 71% das pessoas mortas no Brasil são negras e que as taxas de homicídios de negros vêm aumentando significativamente, e mesmo com todos os dados e fatos comprovados apenas 61% da população brasileira acha que o Brasil é um país racista. A questão principal é que mesmo com a luta diária que a comunidade negra vem enfrentando desde a época da escravidão, e tendo em mente que houve uma evolução mundial em relação a diversos pontos sobre esse assunto, os negros ainda são a maioria nas favelas e periferias, 94% da população tem ciência de que os pretos possuem mais riscos de serem abordados por policiais de forma injusta, violenta e perigosas. Com essas e outras milhares de estatísticas e fatos científicos podemos comprovar que a população negra é uma das classes - se não a mais- oprimida dentre as outras.


Com isso, como falou Djamila Ribeiro, uma