Buscar

Marie Curie: a primeira mulher a ganhar um Nobel




Marie Curie, originalmente como Maria Salomea Skłodowska, nasceu na cidade de Varsóvia, a capital Polonesa, no dia 7 de novembro de 1867. Dentre os outros 5 filhos de Bronisława Boguska e Władysław Skłodowski (um jovem casal de professores), ela era a mais nova. Pelo fato de sua família estar intimamente ligada ao movimento separatista polonês, eles sofreram represálias da Rússia, a qual dominava aquela parte do país.


Seu pai lecionava física e matemática, no entanto fora demitido por compactuar com os sentimentos pró-poloneses. Marie, com 7 anos de idade, perdeu sua irmã mais velha por tifo e, em questão de 3 anos perdera sua mãe, vítima de tuberculose. Por decorrência Maria sofreu com depressão e, por conta disso, a menina foi passar um tempo com os parentes de seu pai no interior, antes de retornar a Varsóvia.


Em 1891, aos 24 anos, Maria se mudou para Paris e mudou seu nome para Marie, estudando física e matemática na Sorbonne Université. No começo, a vida parisiense parecia um grande desafio para uma estudante sem dinheiro e que lutava para conversar em francês, mas o maior desafio para Marie foi ser pré-julgada pelo simples fato de ser uma mulher, pois seu gênero pesava mais do que sua capacidade como estudiosa. Repetidamente tentava encontrar emprego em laboratórios, mas continuou sendo recebida com rejeição, concedidas a ela apenas tarefas triviais, mas mesmo assim, sua proficiência técnica atraiu a atenção e ganhou o respeito de seus colegas. Foi quando Marie conheceu Pierre Curie, então professor de física em sua universidade e chefe de um laboratório, o qual Pierre a convidou a fazer parte, acreditando em seu potencial e inteligência como cientista.


Apesar de seu sucesso, Marie continuou a enfrentar grande oposição de cientistas do sexo masculino na França, e nunca recebeu benefícios financeiros significativos de seu trabalho. Sua competência continuava sendo deixada em segundo plano, em várias situações durante sua vida o machismo prevalecia, como por exemplo em 1894, em uma viagem à Polônia para visitar a família, Marie se candidata a uma vaga na Universidade de Cracóvia para ser professora, como sempre quis, mas não foi aceita por ser mulher. Anos depois, em 1906, ano do falecimento de seu marido, Pierre Curie, Marie conseguira ser professora, assumindo o cargo de Curie como professor de física e tornando-se a primeira mulher a lecionar na Sorbonne.