Buscar

Luta feminina ao longo da história



Luta. Conquista. Direitos. Palavras que definem o que as mulheres vêm fazendo. Não é fácil, afinal nós muitas vezes somos vistas como delicadas, frágeis e incapazes. Mas isso não impediu a luta e a rebelião contra esses estereótipos e preconceitos. É um esforço diário, mas cada vez mais, conquistamos nossos direitos. Entretanto nem sempre foi assim.


Há algumas décadas, as mulheres não podiam votar. Muito menos sair de casa sem estarem acompanhadas por homens. Também não podiam trabalhar. Sua única função era cuidar da casa e procriar. As coisas mudaram. Agora mulheres podem participar da sociedade, e inclusive criaram e descobriram coisas incríveis na ciência, tecnologia e outros. Entretanto ainda há muitas injustiças como assédio, feminicídio, machismo e diferenças salariais. Mas por que isso ocorre?


Para compreender o presente, deve-se olhar para o passado. O machismo é algo estrutural e histórico, presente na sociedade principalmente da Antiguidade até a Idade Moderna. Além disso, muitos filósofos e sociólogos contribuíram com esse pensamento equivocado. Durante a Antiguidade, por exemplo, Platão dizia “que os homens covardes que foram injustos durante sua vida, serão provavelmente transformados em mulheres quando reencarnarem”.


Durante a Idade Média, o preconceito com as mulheres era extremo, pois, a qualquer tentava de se relacionar com arte, ciência ou literatura, elas eram consideradas bruxas, e sofriam tortura ou até mesmo eram queimadas vivas, “pois se opunham aos dogmas da Igreja”.


Já na Idade Moderna, a tortura podia até não existir mais. Mas isso não significava que as coisas estavam mais fáceis. No auge da Primeira Revolução Industrial, as mulheres trabalhavam nas fábricas, porém, com condições degradantes, tais quais jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e salários medíocres, que levaram a greves para reivindicar melhores condições, entretanto que eram sempre reprimidas. Então, no dia 25 de março de 1911 (diferente do que muitos pensam, não foi no dia 8), quase cerca de 130 operárias morreram em uma fábrica em Nova Iorque pegando fogo. Esse acontecimento ficou marcado na história e mostrou para o mundo, as condições em que as mulheres trabalhavam. Isso trouxe força para a luta feminista, entretanto, só depois de muitos anos, em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas como o Dia Internacional da Mulher.


Hoje em dia, muitos postos de trabalho importantíssimos são ocupados por mulheres, porém ainda há injustiças quando se trata de salário. De acordo com pesquisa da revista “Exa