Buscar

Chico Science e o Manguebeat




No ano de 1994, no Brasil, um clássico chegava aos ouvidos da juventude pernambucana, que ansiava por um representante de sua cultura para com o território nacional. Esse clássico se chama Da Lama ao Caos, da banda de Manguebeat Chico Science e Nação Zumbi. Mas vamos por partes: afinal, o que é Manguebeat?


Musicalmente, Manguebeat é uma mistura de vários gêneros: hip hop, rock, hardcore, samba e música psicodélica. Os instrumentos utilizados são, em sua maioria, de percussão, mas também há presença de instrumentos característicos do rock, como guitarra e baixo. Os vocais são diversificados, mas tendem a ter um pouco do hip hop clássico e do punk, sendo agitados e com frases diretas.


Além de gênero musical, pode ser considerado como movimento de protesto ou contestação. Está ligado diretamente à região dos manguezais, sendo Recife o palco onde tudo acontece, contendo símbolos que o representam, como o Caranguejo (principal animal dos manguezais, fonte de alimento e renda para a população da região) e satélites (ou antenas) presentes em meio à lama, característica física marcante dos manguezais. Também há pessoas envolvidas de forma direta no movimento, os chamados Mangueboys e Manguegirls (fãs, dançarinos e músicos relacionados ao Manguebeat). Essas pessoas presentes no movimento apresentam a pobreza e carência na região do mangue, mostrando um lugar com péssimos aspectos para se viver, mas mostrando orgulho do povo que vive lá e que está disposto a lutar por melhores condições.


O álbum está totalmente ligado ao movimento, sempre fazendo referência aos símbolos e ambientação, buscando reivindicar melhor qualidade de vida por intermédio de letras inflamadas, lotadas de críticas com discurso firme e instrumental marcante, condizente com a intensidade das composições. Chico Science, a mente por trás das letras e vocalista da banda em questão, vivia nas condições exatas descritas pelo movimento, onde Chico vendia caranguejos para sua sobrevivência. Esse fato ajuda na montagem do álbum, que descreve com clareza a realidade do mangue pelos olhos de um morador comum do ambiente descrito.


Falando do álbum em questão, é um clássico porque é referência a todo um gênero, vital parte de um contexto (seja ele regional ou nacional), de uma estética e de um movimento, que encantou muito alguns músicos de renome, como Gilberto Gil, por exemplo. Um disco forte, cheio de personalidade, contagiante e até um pouco dançante. Contando com a produção de Liminha, (importante produtor musical brasileiro, tendo trabalhado em bandas como Titãs, Mutantes, Skank, entre outras), o grupo estava disposto a fazer um trabalho ousado e potente, e o fizeram com maestria.