Buscar

A história da ilha das rosas e a possibilidade de criação de novos estados

Ao entrar na minha coluna neste jornal, logo de cara percebe-se que meu ponto forte não é o cinema e estou aqui para falar de política e economia, no entanto recentemente assisti á um filme chamado “A historia da ilha das rosas”, que está disponível na Netflix.


O filme é uma historia real, e mostra a trajetória de Giorgio Rosa, um engenheiro extremamente talentoso. Cansado das amarras estatais o impedindo de realizar suas idéias e colocá-las em pratica, o italiano resolve criar sua própria ilha no Mar Adriático.

1968 foi quando a ilha foi construída, e foi necessário muito conhecimento pois era fundamental que ela tivesse 12 km de distância de Remini (Itália), pois dessa forma a base feita de aço estaria em águas internacionais, possibilitando o seu futuro reconhecimento como nação independente.

Apesar de ser um projeto incrível, a ilha não resistiu por muito tempo, Giorgio Rosa e seus amigos incomodaram tanto o governo italiano e a comunidade internacional, que foi necessário uma intervenção militar no local para que a ilha viesse abaixo e seus cidadãos saíssem.

A ilha das rosas é um dos vários exemplos de tentativa de secessão, recentemente a Catalunha e a Sardenha vem lutando pela autodeterminação e separação. A partir de agora discorrerei acerca do separatismo e da secessão individual: de antemão é necessário que fique claro os conceitos e o que significam tais termos, o direito à autodeterminação, no que tange à questão da filiação a um estado, significa o seguinte: quando os habitantes de um determinado território (seja